Oficina Cultural Xingu

Resultados



ETAPA 1 - As paisagens culturais do Sagihengu e Kamukuwaká Resultados obtidos:
   • A primeira atividade desenvolvida pelo Programa foi elaborar um Projeto Científico dando conta das abordagens e procedimentos necessários para atender ao patrimônio cultural envolvido na área de estudo, em especial, as demandas das comunidades indígenas alto-xinguanas referentes à localização e preservação das paisagens culturais do Sagihengu e do Kamukuwaká (locais relacionados à sua mitologia sagrada) e que se encontram fora dos limites do Parque Indígena do Xingu. Protocolado no IPHAN e devidamente aprovado, o Projeto Científico recebeu a Portaria de Pesquisa n. 127, publicada no Diário Oficial da União em 04/05/2005 e renovada através das Portarias 292 (25.09.2007), e da Portaria n. 32, Anexo III / 16, de 30.09.08.

    • O Programa foi desenvolvido através da abordagem conceitual da Arqueologia Colaborativa, que implica na participação ativa das comunidades envolvidas em todas as etapas do trabalho, incluindo sua concepção, definição de agenda, procedimentos e resultados. Como conseqüência, os resultados obtidos são fruto de elaboração coletiva, uma vez que se baseiam, como espinha dorsal, no conhecimento indígena de seus lugares sagrados (documentado através de textos redigidos pela comunidade em suas respectivas linguas, desenhos, depoimentos e debates), amparado pela pesquisa científica bibliográfica, de campo e laboratório.

    • A primeira Etapa do Programa foi desenvolvida entre 2005/2008, contando com o desenvolvimento de pesquisas nas áreas de Arqueologia, Antropologia, História, Patrimônio Cultural Imaterial, Geologia, Geografia, Ecologia e Ciências Sociais, reunindo uma equipe de 17 cientistas, 8 técnicos, além das 14 etnias indígenas habitantes do PIX (Parque Indígena do Xingu). O resultado principal desta fase, apresentado em seu Relatório Final, foi a localização das paisagens sagradas do Sagihengu e Kamukuwaká. Este Relatório foi devidamente aprovado pelo IPHAN/MinC.

    • Ainda como resultado da primeira fase do Programa obteve-se:
      _ um estudo detalhado do mito do Kwarup e suas variações entre as etnias alto xinguanas;
      _ cadastro de diversos sítios arqueológicos na região dos rios formadores do Xingu;
      _ a elaboração de um quadro sistemático das fontes documentais e produção de texto sobre os cenários históricos de ocupação da área;
      _ um estudo das estratégias de manejo dos recursos ambientais do PIX pelas etnias indígenas; um levantamento dos aspectos culturais de ocupação da sociedade nacional nos municípios abrangidos pelos rios Culuene e Batovi;
      _ um levantamento sistemático da etnohistória regional, incluindo documentação cartográfica e iconográfica disponível na FUNAI;
      _ um estudo da cultura material dos povos alto-xinguanos, em especial, dos artefatos utilizados no Moitará, incluindo descrições detalhadas dos processos de confecção e uso;
      _ um acervo de mais de 1000 fotos sobre os trabalhos e dezenas de entrevistas com representantes das comunidades indígenas.

ETAPA 2 - Tombamento das Paisagens Sagradas e Corredor Cultural dos rios Culuene e Batovi. Resultados obtidos:       _ Demarcação e descrição detalhada das paisagens culturais sagradas do Sagihengu e do Kamukuwaká;
      _ Abertura e instrumentação do Processo de Tombamento do Sagihengu e do Kamukuwaká junto ao IPHAN/MinC;
      _ Obtenção do Premio Rodrigo de Mello Franco 2008, pelas comunidades indígenas alto-xinguanas, como melhor trabalho institucional de valorização e preservação do patrimônio cultural brasileiro;
      _ Indicação das paisagens sagradas do Sagihengu e do Kamukuwaká como Patrimônio Cultural da Humanidade, para a UNESCO;
      _ Definição dos pontos relevantes para desenvolvimento dos estudos de Corredor Cultural dos rios Culuene e Batovi, considerando seus aspectos de preservação e sustentabilidade;
      _ Obtenção de um mapeamento dos lugares e bens histórico-culturais presentes ao longo dos rios Culuene e Batovi;
      _ Sistematização das histórias, tradições e aspectos simbólicos ligados a cada um destes lugares e bens culturais, formando um acervo de conhecimentos tradicionais;

    • Todos os resultados do trabalho protocolados junto a IPHAN, ao Ministério Público Federal e à Secretaria Estadual do Meio Ambiente/MT, órgãos que acompanham as pesquisas e garantem o fiel cumprimento da legislação brasileira sobre Patrimônio Cultural.

    • Todo o material é organizado também em Plataforma Multimídia/CD nas línguas Kalapalo, Waura e Português, visando garantir absoluta participação colaborativa e integração com as comunidades indígenas.


Resultados planejados:
    Na segunda etapa do Programa de Patrimônio Cultural / Arqueologia Colaborativa estão sendo realizadas diferentes ações de envolvimento e participação da comunidade indígena, abrangendo:
     - Oficinas Culturais
     - Exposições Oficina Cultural
     - Museu Virtual

    O envolvimento e a integração com a comunidade também são sustentados por canais de comunicação direta, as chamadas Mídias Sociais. Virtualmente a comunidade pode, de forma continuada, colocar seus comentários, dúvidas, expectativas e depoimentos sobre seu patrimônio histórico e cultural, assim como, dialogar com os cientistas e compartilhar o seu conhecimento.

    Como resultado das Oficinas Culturais já desenvolvidas,obteve-se um inventário dos locais históricos e de referência cultural localizados nas margens dos rios Culuene e Batovi, tendo-se também obtido dados para os rios Sete de Setembro e Von den Steinen, todos eles integrando a região dos formadores do Xingu. Depoimentos, fotos, entrevistas, textos em lingua indígena e português, constituem o acervo documental reunido.

    O resultado final dessa cooperação na segunda Etapa do Programa é, portanto, a elaboração de um Projeto de Corredor Cultural para os rios Culuene e Batovi, abrangendo o resultado das pesquisas, o conhecimento adquirido e os acervos coletados.

    Este Projeto objetiva buscar sinergias com as demais iniciativas culturais da região, contribuindo para a gestão do patrimônio estudado e a promoção e continuidade futura das ações e de seus benefícios.

Notícias

Relato da Antropóloga e Socióloga Gláucia Buratto Rodrigues de Mello

Acompanhe o relato da Antropóloga e Socióloga Gláucia Buratto Rodrigues de Mello, sócio-efetivo da ABA-Associação Brasileira de Antropologia sobre o Tombamento das terras do Alto Xingu.

Clique aqui.

Aprovado pedido de Tombamento pelo IPHAN

    No dia 24 de junho de 2010, o Conselho Consultivo do Patrimônio Histórico, aprovou, por unanimidade, o pedido de tombamento de dois lugares considerados sagrados pelas comunidades indígenas do Alto-Xingu, no Mato Grosso.

Sagihengu e Kamukuwaká são agora Patrimônios Culturais do Brasil.

O pedido de tombamento foi apresentado pelas etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan.
                     saiba mais

- - - - - - - - - - - - - - - -

O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade consagrou o "Projeto Patrimônio indígena, história da nossa gente", do Instituto de Pesquisa Etno Ambiental do Xingu (IPEAX), presidido pelo cacique Aritana Yawalapiti.    saiba mais

- - - - - - - - - - - - - - - -

Próxima reunião
Para análise e aprovação final da comunidade indígena ao Projeto de Corredor Cultural dos rios Culuene e Batovi.

Data: 8 e 9 de Abril

Badge

Carregando...

© 2019   Criado por Documento Projetos Planejamento.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço